SENHOR DO BOMFIM - Fé e Devoção

Nesta quita feira (16), comemorou na Bahia o dia do Senhor do Bomfim. Multidão de fiéis seguiu em procissão, da Igreja de Nossa Senhora da Conceição da Praia até a Colina Sagrada onde está edificada a Igreja do Senhor do Bom fim, em Salvador, para prestar homenagens e cumprir promessas. São 8 km de Fé e Devoção.

Aqui vai um pouco da história de como a imagem e Igreja do Senhor do Bomfim chegaram à Salvador: Foi erguida em 1669, em Setúbal, Portugal, uma Ermida, (pequena igreja ou capela), que primeiramente era conhecida como “Anjo da Guarda”, mas que depois passou a ser chamada de “Igreja do Senhor do Bonfim”. A devoção ao Senhor do Bonfim ganha forças quando Dom João V, diante da imagem do Senhor do Bonfim, fez promessas pelo restabelecimento da saúde de seu pai, o rei Dom Pedro II.

Theodózio Rodrigues de Faria, capitão-de-mar-e-guerra da marinha portuguesa, fervoroso devoto do Senhor do Bonfim, havia feito uma promessa durante uma tempestade de que, se sobrevivesse, traria para o Brasil as imagens do Senhor Jesus do Bonfim e de Nossa Senhora da Guia. Assim, em 18 de Abril de 1745, uma réplica foi trazida da sua terra natal, Setúbal, em Portugal, iniciando a construção da Igreja do Senhor do Bonfim. Mas não foi somente a igreja que foi construída: neste momento começou, também, o culto ao Senhor do Bonfim e a Nossa Senhora da Guia, com a criação da “Devoção do Senhor Bom Jesus do Bomfim”, Irmandade de leigos reconhecida pelo então arcebispo Dom José Botelho de Matos, presente na fundação da mesma. A capela teve suas obras iniciadas em 1746, e no dia 24 de junho de 1754, após a conclusão das obras internas, foi trazida da Capela da Penha para a Colina do Bonfim a sagrada imagem, em procissão, onde o VI vice-rei esteve presente, junto da população, na celebração de missa solene.

Em 1772 as obras da capela foram concluídas. Em 1773 a festa litúrgica do Bonfim passa a ser celebrada no segundo Domingo da Epifania (2º domingo de janeiro), com autorização do arcebispo Dom Sebastião Monteiro de Vide. Também neste ano teve iniciou-se a tradição da lavagem da Igreja, quando os integrantes da "Irmandade dos Devotos Leigos" obrigaram os escravos a lavarem a Igreja como parte dos preparativos para a festa do Senhor do Bonfim, no segundo domingo de janeiro, depois do Dia de Reis. Com o tempo, foi proibida a lavagem na parte interna do templo e o ritual foi transferido para as escadarias e o adro, iniciando-se com o cortejo de baianas que caminham desde a Igreja de Nossa Senhora da Conceição da Praia até o alto do Bonfim, carregando água de cheiro, num percurso de oito quilômetros de festa.

 

Fonte: https://www.santuariosenhordobonfim.com

 

 

 





Comentários
    Nenhum comentário! Seja o primeiro, preencha o formulário abaixo!
Deixe seu comentário